Puritana

Não venha me dizer que você me acha vulgar, afinal você adora meus movimentos, meu olhar, meu corpo e meu gingado… por favor, não me peça que eu me cubra, se “nua” é a minha melhor forma. E não, não me critique; ao invés disso, me delicie e me aproveite. Porque sou aquela que você deseja quando a festa acaba, as luzes se apagam e sua mulher dorme. Sou eu, plena de todas as minhas vontades, que invade o espaço sagrado do seu desejo para entregar aquela paz que você só alcança chamando pelo meu nome…

Não Diga Nada…

Não diga nada, apenas escute meus gemidos, sussurrados em doses promíscuas de prazer e pecado.

Não diga nada, apenas sinta meus toques mais perversos debaixo do seu corpo quente e molhado.

Não diga nada, apenas entre dentro de mim, como você costumava fazer naquelas noites em que desistia da sua decência e escolhia o caminho das minhas coxas para chegar em casa…