Arquivo da categoria: Uncategorized

Trecho do novo livro “Promíscuo Ser”

trecho2

“… resolvo voltar para casa e tomar um banho quente. Prefiro não comentar com o Jota sobre o episódio da praia, para que ele não se preocupe…

Enquanto estou no banho ele se aproxima e coloca as mãos no meio das minhas nádegas, fazendo um movimento giratório com o polegar, típico do momento que antecede um sexo anal. Ele beija meu pescoço e começa a lamber as bordas da minha orelha esquerda, algo que sempre me excita demais. Puxo-o para dentro da água quente e começamos a nos beijar de forma incessante, como se o mundo fosse acabar amanhã.”

Trecho de “Promíscuo Ser, a Partitura Final”… em breve


Seu Banquete…

Mergulho no vazio assustador que é a sua indiferença. Meu sexo já não tem mais o mesmo gosto de antes ou está apenas morno para o seu paladar? Prefiro encolher-me na insignificância de ser mais uma no meio de uma cama compartilhada, do que perder um pouco do seu suor escorrendo pelo meu corpo sujo e usado. Sou eu, em uma versão bem mais picante, que entrega sabor em pequenas doses de euforia e excitação, para transformar sua cama em um banquete de tesão, com gozos latentes de sobremesa, a serem servidos a quem quiser se saciar…

 


Meu Pecado

 


Sussuros…

sussurro

Então, ao final de tudo que vivemos, acabo rendendo-me aos seus caprichos. Sou eu quem deve lutar contra essa prepotência insuportável, mas meu desejo fala mais alto; é um tesão tão, tão genuíno que termino encharcada, cada vez que os pensamentos sobre seu toque, seu cheiro e seu sexo invadem minha mente. Tento recuperar meu fôlego, mas perco-me completamente na sintonia inebriante da sua voz rouca, que sussurra baixinho qual será a próxima parte do meu corpo que você vai explorar…


Não Me Leve a Mal…

Marie

Não me leve a mal, mas não consigo evitar que meus pensamentos voem soltos para outros corpos, para outros toques… sinto seu calor invadir meu espaço sagrado e divido minhas aflições e líquidos com você, nesses segundos que insistem em passar tão rápido, que já não me lembro porque trouxe alguém mais para a nossa cama, mas não me atrevo a te dizer nomes nem detalhes sórdidos. Não me leve a mal, meu gozo é compartilhado com você, mas meu tesão… meu tesão só conserva comigo.


A parte que me separa de você…

corpos

A parte que me separa de você é anexa ao meu prazer mais pungente, que insiste em lembrar-me dos poros que se abrem em um compasso de alegria e desespero, que aguardam o calor sufocante que exala da sua pele e que regozijam ao toque suave dos seus pelos mais escondidos…


Arrepiada

toque2.jpg

Me arrepia sentir o toque dos seus dedos, da sua língua e do seu rosto colado ao meu corpo. Me arrepia sentir seus pelos encostando na superfície da minha pele, abrindo caminho para suas mãos contornarem a envergadura dos meus mamilos e os precipícios das minhas dobras mais escondidas. Mas o que mais me arrepia é sentir o seu olhar pungente do desejo de entrar dentro de mim…


Teu Calor

Às vezes, tudo que preciso é do seu corpo aquecendo minha alma; preciso do calor que sai de dentro de você, que me invade em doses cavalares de tesão e vontade, na medida certa da minha aflição… é ele, o seu calor, que me faz transbordar de desejo e me mostra o caminho do meu orgasmo mais improvável, que me machuca de tanto esperar, que me enlouquece e me faz arder de prazer.


Meu Carnaval

meucarnaval

Vejo blocos desfilando felicidade pelas ruas cinzas de uma cidade lotada de corpos e desejos ilimitados. Vejo o esforço cotidiano dos foliões sedentos para alcançar a plenitude do gozo puto, aquele que não precisamos de muito para atingir e que o descartamos logo em seguida, para procurar por algo mais forte. Vejo uma multidão de orgasmos concentrados em vários momentos deste carnaval, mas em todos os reflexos desse deleite de prazer, só consigo enxergar seu rosto nesse mar de sexo. Porque você é meu carnaval…


Milhões de Motivos

Você pode me dar milhões de motivos para ir embora. Pode me dizer os motivos pelo qual não quer mais o meu  meu calor, o peso do meu corpo sobre o seu e a umidade da minha saliva com a sua. Você pode fingir que já não sente nada, que seus desejos mudaram, que sua vontade secou; e, ainda assim, eu não vou acreditar em você. Porque eu sei que depois do gozo almejado e da mente vazia com a nostalgia dessa paz passageira, é em mim que você vai pensar. Em mim, na maciez das minhas dobras e nos cantos mais escondidos do meu corpo…