Peço perdão por entregar pedaços de mim em doses tortas de depravação e autopiedade em todas as vezes em que encontro refúgio em seu corpo macio… suas curvas reverberam meu prazer em forma de líquidos e sustentam meu desejo sujo e imoral, cada vez que provo um pouco da sua libido; uso seu corpo para sustentar meus desejos e faço dele a morada dos meus pecados, destruindo as virtudes da sua pureza e inocência, que deveriam ser saciadas com mais pudor e vontade do que a voracidade com que as devoro, sem clemência ou devoção; apenas com a força do meu apetite…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s